Há postos para a poesia?

Rudimentos vocais

Aspirações orais

Há dias sonoros

Inquietações hertzianas

Ortografias abertas

Poesias ampliadas

Ondas magnéticas

Escavadas na garganta

Sintonias do tempo

In ti mi da de

Arte Memória Política Opinião

Fruição

Meditação

 

E tudo a postos para escutarmos os espíritos?

Amantes da poesia, camaradas ouvintes, coreógrafas da língua, encenadoras dos lábios

Prontas para afinarmos os espíritos?

Artesãs de palavras, operárias do texto, juristas das frases feitas e cuidadoras de ideias

Tudo a postos para sermos poesia?

Há postos para a poesia?

 

 

 

 

Raquel Lima

Em qual playlist quer adicionar esta peça?

Tem a certeza que pretende eliminar a lista ?

Necessita de estar registado para adicionar favoritos

Login Criar conta
Partilhar

Entre os 9354km que vão da Huíla, província angolana onde nasceu em 1952, ao Jardim Botânico da Ajuda, em Lisboa, Ana Paula Tavares deambula pelos lugares vegetais da sua poesia. Ecos aquáticos, ritos de passagem e passarada vária compareceram ao encontro com Mariana Oliveira, que Tiago Schwäbl pontuou com outras materialidades sonoras.

data de publicação
13.02.2022
AUTORIA
Mariana Oliveira com Tiago Schwäbl
EDIÇÃO E MONTAGEM
Tiago Schwäbl
Mariana Oliveira
GRAVAÇÃO VOZ
PontoZurca
OUTROS REGISTOS SONOROS
Tiago Schwäbl
MONTAGEM FINAL
Tiago Schwäbl
André Cunha
Laura Romero
MASTERIZAÇÃO
Laura Romero