Margarida, uma voz onde cabem muitas vozes

Margarida Antunes tem dedicado a vida ao canto. Uma voz que se procura, que se encontra com outras, que semeia.

 

Na infância passou um ano e meio em França, onde o pai esteve emigrado antes do 25 de Abril. Uma experiência que terá contribuído para se tornar assessora de imprensa no Instituto Franco-Português, onde passou a maior parte da sua vida profissional.

 

Antes disso, logo depois da revolução, integrou o GAC – Grupo de Ação Cultural – Vozes na Luta. Ao lado de figuras como José Mário Branco, Fausto ou Luís Pedro Faro, entre tantos outros, percorreu um país pobre e analfabeto, onde faltava tudo, e onde militares e camponeses, por um período breve mas prodigioso, se juntaram a eles num coro pela liberdade e pela justiça social.

 

Já reformada, não lhe sobra muito tempo para descansar. Faz parte da direção da Biblioteca Operária Oeirense, a mais antiga de Oeiras, e da Associação de Canto a Vozes – Fala de Mulheres, responsável pelo pedido de inscrição do canto de mulheres na lista nacional de património cultural imaterial, e é uma das fundadoras do grupo coral feminino Cramol, com mais de quatro décadas de vida e ativíssimo, entre concertos, oficinas de canto e organização de conferências.

Em qual playlist quer adicionar esta peça?

Tem a certeza que pretende eliminar a lista ?

Necessita de estar registado para adicionar favoritos

Login Criar conta

[A cada um as suas armas]

Partilhar

A cada um as suas armas, as mulheres que amou,
os homens que defendeu do juízo moral dos outros,
a cama onde um dia se viu abandonado,
rodeado de cruzes e velas.
Das linhas que tremo, roda-me a lâmpada
interior à carne, e a claridade
chega aos ossos numa duração insaciável.

 

Falar com a minha voz depois de tantas outras,

dos condenados a quem roubaste as cartas,

copiando aquele ritmo que se aferrava à carne

e dizias que os viste cair

depois de os teres seguido para a guerra, mas agora

que já ninguém faz luto pelos rouxinóis

e toda a gente escreve poemas,

não te podes valer de mentiras

nem de verdades,
nem sequer do antepassado

enterrado num canto do pátio

— homem que teve os seus méritos.

 

Se a folha ainda me arranca um traço,

pisando-me os ossos da mão,

a distância é o meu único assunto.

De olhos fechados, entretenho-me

com a sensação de entrar em comboios remotos,

a tresandar a esquecimento para ser embalado

pela trepidação desse traço contínuo.

 

Terra e água num copo, a raiz amarga

que lá tenho escuta atentamente,

moendo tudo para épocas futuras.

Lá fora, o mar como um pássaro só

descansa, revê todos os finais,

mil capitães adormecidos enquanto os navios

se entrechocam docemente.
As noites passam em braços,
levanto a casa, feita de pedra negra.
Atraídos, os cometas caem longe

para que os sinta.

Os jardins escutam as flores,

a morte diz o nosso nome
e vimos esperá-la formando filas.

 

 

De Aurora para os Cegos da Noite (2020, Maldoror)

GRAVAÇÃO E EDIÇÃO ÁUDIO
Oriana Alves
masterização
Sérgio Milhano, PontoZurca