Há postos para a poesia?

Rudimentos vocais

Aspirações orais

Há dias sonoros

Inquietações hertzianas

Ortografias abertas

Poesias ampliadas

Ondas magnéticas

Escavadas na garganta

Sintonias do tempo

In ti mi da de

Arte Memória Política Opinião

Fruição

Meditação

 

E tudo a postos para escutarmos os espíritos?

Amantes da poesia, camaradas ouvintes, coreógrafas da língua, encenadoras dos lábios

Prontas para afinarmos os espíritos?

Artesãs de palavras, operárias do texto, juristas das frases feitas e cuidadoras de ideias

Tudo a postos para sermos poesia?

Há postos para a poesia?

 

 

 

 

Raquel Lima

Em qual playlist quer adicionar esta peça?

Tem a certeza que pretende eliminar a lista ?

Necessita de estar registado para adicionar favoritos

Login Criar conta

A minha História é uma Grécia onde não fui

Partilhar

(escrito com António, Henrique, Maria Manuela e Marília, do Recolhimento da Encarnação, em 2013)

 

 

A minha História é uma Grécia onde não fui.

 

A minha Grécia é Nova Iorque, que não vi.

A minha Nova Iorque é o amor que não tive.

 

A minha Grécia é Angola, e Angola não é minha.

O mulato não tem senão a terra em que caminha.

 

A minha Angola são 50 anos em casa da minha mãe.

 

É ter visto pela rádio o sol da Califórnia.

É em 75 ter namorada, não ter que fugir.

 

A minha História bem contada era um casamento rápido em Las Vegas.

 

A minha Nova Iorque era não ter casado nunca.

A minha Las Vegas são as minhas filhas, onde deixei tudo.

 

A minha História é ter ido a jogo.

 

É ter perdido sempre.

 

A minha Grécia é ter um quarto.

 

A minha mãe morreu.

 

*

 

A História é termos sido duzentos, sermos três.

É das sete vidas que tínhamos termos gastado seis.

É ter seis meses para sair a contar do dia da morte.

 

É o ano de 29, a cegueira do pai, o princípio do fim.

 

É não ter terra, não ter renda, não ter rosa,

e não ter, para o caminho de volta, prosa.

 

É saber que a morada que nos resta é na Pena

onde se chega por fim, para o fim, por via torta.

 

Meu parêntesis por ora.

 

*

 

Terra prometida

(Não nos prometeram mais)

 

Guarda-nos da chuva.

Dispensa-nos de bússolas.

 

Cave aconchegada teia cova

 

[…]

*

É tarde demais para ser tarde demais.

 

Penumbra clausura

Tenho planos latos

E sensações de luz

 

Quero ir morar em espaços em branco.

 

 

 

Miguel Cardoso

excerto de Mais de mil anos (2017, Douda Correria)

 

 

 

data de publicação
12.03.2022
gravação é edição áudio
Oriana Alves
masterização
PontoZurca