Margarida, uma voz onde cabem muitas vozes

Margarida Antunes tem dedicado a vida ao canto. Uma voz que se procura, que se encontra com outras, que semeia.

 

Na infância passou um ano e meio em França, onde o pai esteve emigrado antes do 25 de Abril. Uma experiência que terá contribuído para se tornar assessora de imprensa no Instituto Franco-Português, onde passou a maior parte da sua vida profissional.

 

Antes disso, logo depois da revolução, integrou o GAC – Grupo de Ação Cultural – Vozes na Luta. Ao lado de figuras como José Mário Branco, Fausto ou Luís Pedro Faro, entre tantos outros, percorreu um país pobre e analfabeto, onde faltava tudo, e onde militares e camponeses, por um período breve mas prodigioso, se juntaram a eles num coro pela liberdade e pela justiça social.

 

Já reformada, não lhe sobra muito tempo para descansar. Faz parte da direção da Biblioteca Operária Oeirense, a mais antiga de Oeiras, e da Associação de Canto a Vozes – Fala de Mulheres, responsável pelo pedido de inscrição do canto de mulheres na lista nacional de património cultural imaterial, e é uma das fundadoras do grupo coral feminino Cramol, com mais de quatro décadas de vida e ativíssimo, entre concertos, oficinas de canto e organização de conferências.

Em qual playlist quer adicionar esta peça?

Tem a certeza que pretende eliminar a lista ?

Necessita de estar registado para adicionar favoritos

Login Criar conta

[escrever o tempo escrever]

Partilhar

escrever o tempo escrever tudo que aparece na sua frente a sina dos deuses a bomba relógio prestes a explodir explosão de nervos cujos ancestrais tiveram de marcar no relógio dos dias a insignificância das pedras pedra por pedra a pedreira imóvel feito ouriço e quanto mais justo menos inquieto o termômetro aponta febre e é na febre do rato que se faz desnecessário criar planilhas textos e funções para contabilizar a feira os lençóis úmidos se não de choro de suor não importa escrever o tempo é mais importante agora e sem personagens o tempo vigora insosso a rua passa a ser tijolo paralelepidos empilhados em rodas gigantes esvoaçando pensamentos oblíquos não espere meu amor a ribanceira tremer é com ela que se faz o tempo relógio das bombas superávit primário navegando nas pedras do ser e vou vivendo como nos outros tempos sem olhar pra frente sem diluir o açúcar no prato de barro porcelana vidro seco enferrujado sem glúten lactose giz cera poeira gira vela cabaça escrever o tempo escrever tudo que aparece na sua frente sem diluir o açúcar no prato de barro porcelana vidro seco enferrujado sem glúten lactose giz cera poeira gira vela cabaça

 

gravação
Richard Plácido
masterização
Sérgio Milhano, PontoZurca