Há postos para a poesia?

Rudimentos vocais

Aspirações orais

Há dias sonoros

Inquietações hertzianas

Ortografias abertas

Poesias ampliadas

Ondas magnéticas

Escavadas na garganta

Sintonias do tempo

In ti mi da de

Arte Memória Política Opinião

Fruição

Meditação

 

E tudo a postos para escutarmos os espíritos?

Amantes da poesia, camaradas ouvintes, coreógrafas da língua, encenadoras dos lábios

Prontas para afinarmos os espíritos?

Artesãs de palavras, operárias do texto, juristas das frases feitas e cuidadoras de ideias

Tudo a postos para sermos poesia?

Há postos para a poesia?

 

 

 

 

Raquel Lima

Em qual playlist quer adicionar esta peça?

Tem a certeza que pretende eliminar a lista ?

Necessita de estar registado para adicionar favoritos

Login Criar conta

Passou um enfermeiro nem viu o jardim queimando

Partilhar

minhas amigas não me dão presentes elas me consideram

uma pessoa que não se importa com esse tipo de coisa

em vez disso me escrevem ameaças como poemas batidos à máquina

 

numa casa se uma telha cai isso já é uma sentença

 

tomamos juntas um chá de ervas chamado

“seu momento veio / seu momento passou”

 

minhas amigas anotam coisas a meu respeito

se viajamos juntas elas me emprestam livros com a palavra devoção

elas me tratam como se eu soubesse

da história de um fundo de um poço

um poço que é como o vão de um elevador

onde uma menina cai e ainda está lá esperando por resgate

 

eu tenho problemas de raiva preciso dizer a elas

que um serial killer é aquele que boceja muito

é aquele que diz “faço qualquer coisa contanto que seja divertido”

 

minhas amigas precisam entender que os meus segredos

os meus crimes infantis nunca vão ferir

os peixes os urubus

as hienas que transam entre si

 

minhas amigas são asmáticas

são espondilíacas são esquizofrênicas

meu chá é forte é a minha cabeça

se eu escrevesse uma história de terror nela

não aconteceria nada escrever uma história

amarrar uma pessoa vender um bezerro enquanto

ele espuma a corda na boca outra telha cai

sentimos ainda o calor da estufa em chamas

onde queimam mechas de cabelo azul

e chegam excitadas minhas amigas

para me fazer uma peruca

 

 

 

Inédito

gravação
Julia Raiz
masterização
Sérgio Milhano, PontoZurca