reservar espaço para a sombra

reservar espaço para a sombra

criar aos cacos uma

geografia quase inacessível

se reservar o direito

ao recolhimento

produzir cavidade

no interior da

palavra para

que nela também

resida

o que não se diz

em frente ao inimigo

entregar o discurso

inacabado
ocupar o fundo

de um espaço onde

a ordem que rege

não anseia testar os

limites do exotismo

de uma bicha-que-fala

de uma bicha-que-pensa

apesar de tudo

fabricar o corpo

onde não te alcancem

os olhos da máquina

de morte

ter tempo para se formular

quando não se está

destinado a ser

una cosa muy rara e só

se permitir uma narrativa

destroçada destinada a

ser falha e ruína

avolumando

falha e ruína

habitar o mistério

quando a ti ele é

negado

– especialmente aí

ser o mistério

 

 

 

De AMÉRICA (URUTAU, 2020)

Em qual playlist quer adicionar esta peça?

Tem a certeza que pretende eliminar a lista ?

Necessita de estar registado para adicionar favoritos

Login Criar conta
Partilhar

 pra Sergio Maciel

 

de uma língua morta nasceu o

nome da tua república

que um século depois

eu chamo de país imberbe

e estranho com nome de rio

 

te repito

 

o passaporte carimbado

infinitas vezes

o mesmo brasão

como se entrasse

again and again num país

de onde nunca saí

 

volto a ti rio caudaloso com

a insolência dos que têm remos

teu nome já difuso entre a língua

crioula e a indizível a que traduzo

que engulo ou cuspo porque já

não posso

 

te engolir

 

volto a outro país que desconheço

ainda que compartilhemos

do mesmo gentílico mas

é outro teu trópico eu equador

tu capricórnio te viajo anotando

barroca e chocada tua flora tuas falésias

 

teus rasgos

 

já nem sei mais para quem é esse

poema se para ti ou a terra natal ou

para o exílio ou a maré

que me separa dos três

não consigo escrevê-lo

porque ainda

que tenha vivido muito

tenho lido pouco

e se fosse o contrário também

não escreveria aliás

qual é a medida

com quanto cuspe a escrita

lubrifica a vida ou seria

o contrário?

 

 

 

De Chifre (Edições Macondo, 2021)

gravação
Adelaide Ivánova, com recurso a voz sintetizada nos poemas "A mulher casada" e "os orgãos inúteis".
masterização
Pedro Baptista, PontoZurca