Vanessa, pintora de azulejos de papel

Há quem pinte com palavras e veja o mundo em fractais azulados. Vanessa da Paz veio de Florianopolis, a ilha mágica do Estado de Santa Catarina, no Brasil. Chegou ao Coletivo Bandido, em Oeiras, seguindo o fio do acaso. A contemplação, as cores garridas e a deambulação ocupam os seus dias. À noite, no atelier oeirense, fixa em azulejos de papel cenas vividas entre Alfama, o Chiado, as praias em torno e por onde a leve a arte.

Em qual playlist quer adicionar esta peça?

Tem a certeza que pretende eliminar a lista ?

Necessita de estar registado para adicionar favoritos

Login Criar conta

O remoto rei dos corvos

Partilhar

O remoto rei dos corvos,

Edgar Allan Poe,

deixa cair do seu bico,

no centro de uma biblioteca,

os restos de uma musa.

Cansados de tanta melancolia,

os ratos montam à sua volta um circo.

 

«Annabel Lee», «Annabel Lee»,

guincham os bichos,

repartindo os ossos entre si.

 

Mostram os dentes,

esticam-lhe a pele.

Sabem que o poema

não tem outro precursor

a não ser a fome,

nem outro seguidor

a não ser o crime.

 

 

Golgona Anghel

in Como uma flor de plástico na montra de um talho (2013, Assírio & Alvim)

gravação e edição áudio
Oriana Alves
masterização
PontoZurca