Há postos para a poesia?

Rudimentos vocais

Aspirações orais

Há dias sonoros

Inquietações hertzianas

Ortografias abertas

Poesias ampliadas

Ondas magnéticas

Escavadas na garganta

Sintonias do tempo

In ti mi da de

Arte Memória Política Opinião

Fruição

Meditação

 

E tudo a postos para escutarmos os espíritos?

Amantes da poesia, camaradas ouvintes, coreógrafas da língua, encenadoras dos lábios

Prontas para afinarmos os espíritos?

Artesãs de palavras, operárias do texto, juristas das frases feitas e cuidadoras de ideias

Tudo a postos para sermos poesia?

Há postos para a poesia?

 

 

 

 

Raquel Lima

Em qual playlist quer adicionar esta peça?

Tem a certeza que pretende eliminar a lista ?

Necessita de estar registado para adicionar favoritos

Login Criar conta

O remoto rei dos corvos

Partilhar

O remoto rei dos corvos,

Edgar Allan Poe,

deixa cair do seu bico,

no centro de uma biblioteca,

os restos de uma musa.

Cansados de tanta melancolia,

os ratos montam à sua volta um circo.

 

«Annabel Lee», «Annabel Lee»,

guincham os bichos,

repartindo os ossos entre si.

 

Mostram os dentes,

esticam-lhe a pele.

Sabem que o poema

não tem outro precursor

a não ser a fome,

nem outro seguidor

a não ser o crime.

 

 

Golgona Anghel

in Como uma flor de plástico na montra de um talho (2013, Assírio & Alvim)

data de publicação
28.02.2022
gravação e edição áudio
Oriana Alves
masterização
PontoZurca