Vanessa, pintora de azulejos de papel

Há quem pinte com palavras e veja o mundo em fractais azulados. Vanessa da Paz veio de Florianopolis, a ilha mágica do Estado de Santa Catarina, no Brasil. Chegou ao Coletivo Bandido, em Oeiras, seguindo o fio do acaso. A contemplação, as cores garridas e a deambulação ocupam os seus dias. À noite, no atelier oeirense, fixa em azulejos de papel cenas vividas entre Alfama, o Chiado, as praias em torno e por onde a leve a arte.

Em qual playlist quer adicionar esta peça?

Tem a certeza que pretende eliminar a lista ?

Necessita de estar registado para adicionar favoritos

Login Criar conta

Adriana Crespo [compacto]

Partilhar

Estes poemas pertencem a um conjunto de livros inéditos cujos elementos ultimamente têm aparecido na minha cabeça. Pertencem aos Sonetos de Amor e Morte, da Maria do Mar, ao Quase Nada, do Artur Borboleta, às Orações a um Deus Desconhecido, da Françoise M., ao livro que escrevi a duas mãos com a Isabel Aguiar e ao Saiba porque é que os Extraterrestres não nos contactam, do Orlando I.

 

São visitas sem aviso prévio e que por não ter papel e caneta à mão ou por estar ao volante tenho por vezes registado com a ajuda do gravador do telemóvel, embora fique surpreendida ao encontrar a minha voz, mais ainda nestas gravações imprevistas, esburacadas por longas pausas. Logo agora e curiosamente surge este convite para dar voz a estes poemas: estranhos acasos. Por vezes a cabeça dispara e é um poema (ou acho que é um poema) ou é qualquer coisa que está escrita e que estou a ler, mas com o ouvido interior, isto é, com som mudo. Infelizmente é tudo muito rápido e tenho sempre a sensação de correr atrás de visões (sem câmara). Ao longo destes anos tenho tentado arranjar uma técnica para capturar essa corrente que passa mas sinto que é bastante imperfeita, tosca, por assim dizer, para capturar essa velocidade. Como uma máquina primitiva, demasiado lenta. Embora esta técnica de resgate de uma coisa que acontece e que se perde, na verdade, não chegue realmente a saber se é boa se é má – porque estou a comparar duas coisas incomparáveis, uma, que desapareceu, e outra, com a qual fiquei.

 

Portanto, a sensação vale o que vale. Estes poemas todos eles têm este aspecto comum: apareceram de um modo intempestivo. Não sei se foram visitas agradáveis, mas talvez deva dizer que sim. A alegria é grande. Ou melhor, é uma espécie de excitação infantil. Reunidos os poemas, observei no entanto que o conjunto fazia muito sentido e que era, por assim dizer, bastante coeso e expressivo quanto ao que mais me ocupa, ainda que os seus elementos tenham surgido por acaso. Não vou agora acrescentar mais, porque dizer mais é dizer demais. Os poemas falam por si.

 

 

Adriana Crespo

GRAVAÇÃO E EDIÇÃO ÁUDIO
Oriana Alves
MASTERIZAÇÃO
PontoZurca