Vanessa, pintora de azulejos de papel

Há quem pinte com palavras e veja o mundo em fractais azulados. Vanessa da Paz veio de Florianopolis, a ilha mágica do Estado de Santa Catarina, no Brasil. Chegou ao Coletivo Bandido, em Oeiras, seguindo o fio do acaso. A contemplação, as cores garridas e a deambulação ocupam os seus dias. À noite, no atelier oeirense, fixa em azulejos de papel cenas vividas entre Alfama, o Chiado, as praias em torno e por onde a leve a arte.

Em qual playlist quer adicionar esta peça?

Tem a certeza que pretende eliminar a lista ?

Necessita de estar registado para adicionar favoritos

Login Criar conta

Contraponto para Isabel Aguiar

Partilhar

(suicidou-se em Novembro de 2021)

 

 

O rosto é que é a máscara.

É preciso inventar qualquer coisa para poder tirar o rosto.

É preciso fazê-lo depressa, antes que se acabe o tempo.

Colocar chapeuzinhos de sol nos pulsos e nos tornozelos.

Uma saia de palha, como nas tribos da Guiné.

Máscaras rectangulares, como dançarinos do Mali.

Que espanto, o rosto no espelho.

Que estranheza.

Teria três, quatro anos?

Perguntava: é isto?

Esperava talvez que fosse outra coisa.

Coala, tigre, lagarto, borboleta, flor.

Tudo num rosto parece tão desavindo.

Os olhos, o nariz, os dentes, o cabelo, as pestanas, as sobrancelhas.

A boca por dentro. As amígdalas.

Será que conseguirei um dia amar o meu rosto?

Em fotografias que já não são as do meu rosto actual,

então de súbito sinto que aquilo era eu.

Mas o tempo voa.

A consciência de ser alguma coisa está sempre desfasada.

Talvez um dia depois de morta

olhe para o meu último rosto muito enrugado e suspire por ele.

Teremos certamente um ou mais rostos por ano.

Talvez a maior estranheza seja não ser outra coisa.

Um pássaro.

Uma chita veloz. Um raio de luz.

Uma pedra. Uma nuvem de pó.

Será a memória filogenética

ou antes a possibilidade de ser realmente qualquer coisa mais plástica?

Uma expressão mais abstracta e acidental da vida?

Talvez seja só a simples sensação de ter sido um embrião no ventre materno

que em tempos abandonou as guelras e em que as mãos,

antes de se separarem os dedos, foram barbatanas.

 

 

 

De Nada existe que tenha sido uma lembrança inédita (livro inédito, escrito com Isabel Aguiar)

GRAVAÇÃO E EDIÇÃO ÁUDIO
Oriana Alves
masterização
Sérgio Milhano, PontoZurca