Margarida, uma voz onde cabem muitas vozes

Margarida Antunes tem dedicado a vida ao canto. Uma voz que se procura, que se encontra com outras, que semeia.

 

Na infância passou um ano e meio em França, onde o pai esteve emigrado antes do 25 de Abril. Uma experiência que terá contribuído para se tornar assessora de imprensa no Instituto Franco-Português, onde passou a maior parte da sua vida profissional.

 

Antes disso, logo depois da revolução, integrou o GAC – Grupo de Ação Cultural – Vozes na Luta. Ao lado de figuras como José Mário Branco, Fausto ou Luís Pedro Faro, entre tantos outros, percorreu um país pobre e analfabeto, onde faltava tudo, e onde militares e camponeses, por um período breve mas prodigioso, se juntaram a eles num coro pela liberdade e pela justiça social.

 

Já reformada, não lhe sobra muito tempo para descansar. Faz parte da direção da Biblioteca Operária Oeirense, a mais antiga de Oeiras, e da Associação de Canto a Vozes – Fala de Mulheres, responsável pelo pedido de inscrição do canto de mulheres na lista nacional de património cultural imaterial, e é uma das fundadoras do grupo coral feminino Cramol, com mais de quatro décadas de vida e ativíssimo, entre concertos, oficinas de canto e organização de conferências.

Em qual playlist quer adicionar esta peça?

Tem a certeza que pretende eliminar a lista ?

Necessita de estar registado para adicionar favoritos

Login Criar conta

é impossível dizer o braço de um rio

Partilhar

é impossível dizer
se no braço do rio há um barco
porque quando o rio se move
não se move como um braço de rio
ele não sabe se
dentro dele habitam outros rios
por isso seu corpo é só um corpo
seu riso são seus olhos que não sabem se
no rio havia um barco
por isso sua curva sua sombra
não pairam sobre o rio
por isso eu teimo a palavra que me foge
por isso eu penso
a estranha velocidade dos carros
é impossível dizer a velocidade
do que foi dito antes do barco
se as luzes conseguem alcançar suas mãos
cortar as partículas do tempo
se elas conseguem ao menos
avistar as cores ao seu redor
por isso é impossível dizer o braço de um rio
porque a palavra ainda me foge

 

 

 

 

Inédito

 

gravação
Érika Santos
masterização
Sérgio Milhano, PontoZurca