Margarida, uma voz onde cabem muitas vozes

Margarida Antunes tem dedicado a vida ao canto. Uma voz que se procura, que se encontra com outras, que semeia.

 

Na infância passou um ano e meio em França, onde o pai esteve emigrado antes do 25 de Abril. Uma experiência que terá contribuído para se tornar assessora de imprensa no Instituto Franco-Português, onde passou a maior parte da sua vida profissional.

 

Antes disso, logo depois da revolução, integrou o GAC – Grupo de Ação Cultural – Vozes na Luta. Ao lado de figuras como José Mário Branco, Fausto ou Luís Pedro Faro, entre tantos outros, percorreu um país pobre e analfabeto, onde faltava tudo, e onde militares e camponeses, por um período breve mas prodigioso, se juntaram a eles num coro pela liberdade e pela justiça social.

 

Já reformada, não lhe sobra muito tempo para descansar. Faz parte da direção da Biblioteca Operária Oeirense, a mais antiga de Oeiras, e da Associação de Canto a Vozes – Fala de Mulheres, responsável pelo pedido de inscrição do canto de mulheres na lista nacional de património cultural imaterial, e é uma das fundadoras do grupo coral feminino Cramol, com mais de quatro décadas de vida e ativíssimo, entre concertos, oficinas de canto e organização de conferências.

Em qual playlist quer adicionar esta peça?

Tem a certeza que pretende eliminar a lista ?

Necessita de estar registado para adicionar favoritos

Login Criar conta

[Quando Marga amou Juan Ramón]

Partilhar

Ó noite, ó sino de emboscada!

Rezou ao gume o dúbio peito

O céu pendeu do parapeito

O som bateu em retirada

Quando Marga amou Juan Ramón

 

Quando Marga amou Juan Ramón

Secou o riso nas tabernas

A praça rechaçou o sol

O sangue encheu o arrebol

O busto achou as suas pernas

Quando Marga amou Juan Ramón

 

Quando Marga amou Juan Ramón

A água coagulou na fonte

O choro veio sobre o bobo

O cervo veio sobre o lobo

E a dúvida pensou na ponte

Quando Marga amou Juan Ramón

 

Quando Marga amou Juan Ramón

A boca vomitou o beijo

A esfinge errou a adivinha

Rugiu o coração da pinha

A cor tremeu no azulejo

Quando Marga amou Juan Ramón

 

Quando Marga amou Juan Ramón

O pano enxotou o vento

Sangrou a pétala a papoila

O velho morreu de moçoila

Perdeu-se em dois um sentimento

Quando Marga amou Juan Ramón

 

Quando Marga amou Juan Ramón

Um astro disparou de um lábio

O sal cercou o alcaçuz

Urdiu-se um cristo em ponto cruz

O velho apodreceu de sábio

Quando Marga amou Juan Ramón

 

Quando a Marga amou Juan Ramón

A luz correu prà sua foz

O gás asfixiou a aldeia

O invento perdeu a ideia

O ovo seduziu a noz

Quando Marga amou Juan Ramón

 

Quando Marga amou Juan Ramón

A pedra guardou seu segredo

Um grilo fez-se ao longo breu

Eremita, uma onda ardeu

O ferro confessou seu medo

Quando Marga amou Juan Ramón

 

Quando Marga amou Juan Ramón

A lágrima caiu do goivo

Fechou-se o punho da conquilha

Em dois se fez a triste ilha

Num féretro passou o noivo

Quando Marga amou Juan Ramón

 

Quando Marga amou Juan Ramón

Baliu a sarça o cordeiro

O mar despiu a sua espuma

Caiu do promontório o puma

A noite caiu num cinzeiro

Quando Marga amou Juan Ramón

 

 

 

 

De Cães de chuva (2021, Assírio & Alvim)

GRAVAÇÃO E EDIÇÃO ÁUDIO
Oriana Alves
masterização
Sérgio Milhano, PontoZurca
agradecimentos
E-learning Café Botânico e Teatro Carlos Alberto