Miguel Cardoso [compacto]

Os poemas escolhidos atravessam vários dos meus livros, onde muitos deles integravam sequências mais longas, a que foram arrancados. Ao dar-lhes esta nova morada precária, procurei fios ou ecos que formassem uma nova sequência, tendo como mote a ideia de travessia: como abrir caminho – no espaço, mas, mais ainda, no tempo? Entre outras coisas, estes poemas tratam do que o ontem nos deixou, da engrenagem das horas, do emprego dos dias, de avanços e recuos, de regressos e reveses, de parêntesis e promessas, da incerta antecipação de amanhãs. Os versos encadeiam-se e, ao mesmo tempo, hesitam, engasgam-se, saltam como agulha num disco descontínuo. Não é, portanto, apenas um encadeamento de poemas, mas uma sequência de poemas sobre o próprio processo de encadear, que vejo como um dos problemas centrais da poesia. Mesmo se o poema se esquece disso, a sua passagem à voz recorda-o: vê-se forçada a atravessar um terreno acidentado, a negociar a difícil passagem de um verso para o seguinte. Como os poemas, os dias.

 

Miguel Cardoso

Em qual playlist quer adicionar esta peça?

Tem a certeza que pretende eliminar a lista ?

Necessita de estar registado para adicionar favoritos

Login Criar conta

Sinceras lampadazinhas

Partilhar

Obrigada por me lembrares das grandes charcas

dulcíssima palavra reflectora onde vejo de imediato

o sol a cair de chapa e lucefécit no céu cor de ratazana

desta querida e velha Lisboa

 

sinceras lampadazinhas trazem os genes da tua fala

mesmo as menos alegres que nem por isso vêm

menos cheias de sopro e futuro

 

um hectare de terra é entrada directa na santidade

 

voltei ontem do Alentejo onde vivo só de ser carnal

por aqui vou estando para trabalhos e dinheiros

fechei o livro que sairá algures no ano que inicia

contenta-me que se fuja para o campo para sempre

e não confusamente

 

alegra-me a ideia de ficar completamente

e ir ressoltando o fantasminha da iluminação

 

um dia quem sabe

acordar de frente para uma árvore verde até ao fim

 

árvores de fruto: às vezes olho para um limoeiro

numa das partes recuadas da casa e espanta-me

a felicidade com que respondo também sou tua

 

e o limoeiro com seu corpo brilhante de lantejoulas

podia perfeitamente ser o marmeleiro de Victor Erice

ou um recado teu:

 

acompanha-me nos teus bons pensamentos

não quebres

nesses dias de chiclete e castelos de betão.

 

 

 

De Divisão da Alegria (2022, Tinta-da-China)

GRAVAÇÃO E EDIÇÃO ÁUDIO
Oriana Alves
masterização
Sérgio Milhano, PontoZurca