Há postos para a poesia?

Rudimentos vocais

Aspirações orais

Há dias sonoros

Inquietações hertzianas

Ortografias abertas

Poesias ampliadas

Ondas magnéticas

Escavadas na garganta

Sintonias do tempo

In ti mi da de

Arte Memória Política Opinião

Fruição

Meditação

 

E tudo a postos para escutarmos os espíritos?

Amantes da poesia, camaradas ouvintes, coreógrafas da língua, encenadoras dos lábios

Prontas para afinarmos os espíritos?

Artesãs de palavras, operárias do texto, juristas das frases feitas e cuidadoras de ideias

Tudo a postos para sermos poesia?

Há postos para a poesia?

 

 

 

 

Raquel Lima

Em qual playlist quer adicionar esta peça?

Tem a certeza que pretende eliminar a lista ?

Necessita de estar registado para adicionar favoritos

Login Criar conta
Partilhar

Os Yaganes – ou Yámanas – foram a tribo mais austral do mundo. Durante 6500 anos, habitaram um labirinto de ilhas no arquipélago sul da Terra do Fogo. Já ninguém fala as línguas dos Yaganes, povo nómada sobre canoas, sem deuses e sem reis, sem linguagem escrita, agora quase sem passado.

 

Produzida com uma grande diversidade de gravações de campo realizadas durante as quatro estações do ano, esta obra de arte sonora é uma exploração histórico-acústica, representando os últimos momentos de encontro de duas culturas com uma grande incompatibilidade de coexistir. Nesta composição narrativa, escutamos as últimas vozes, as últimas memórias, as últimas sensações, prolongando na rádio uma paisagem que se vai perdendo no mais fundo da Humanidade.

 

Documentário, ficção e arte radiofónica, entre a antropologia e a poesia sonora, entre o registo paisagístico e a electroacústica, entre a realidade e a imaginação, Anan é um dos grandes poemas radiofónicos do século XXI. As diferentes formas e variações desta obra de Joaquin Cofreces – autor que recria a rádio como um “poema contínuo” – já passaram em emissoras, festivais e museus de todo o mundo. A primeira versão desta peça, transmitida em Portugal no festival Terra do Som (2014) e então intitulada “A última voz”, recebeu o Phonurgia Nova de 2009, prémio de referência mundial na criação radiofónica.

 

data de publicação
13.02.2022
AUTORIA, GRAVAÇÃO, EDIÇÃO, MONTAGEM E MASTERIZAÇÃO
Joaquín Cofreces
ARQUIVOS SONOROS CEDIDOS 1
Gravações fonógrafo (1907)
Charles W. Furlong
Arquivo Fonográfico de Berlim, Alemanha.
ARQUIVO 2
Gravações fonógrafo (1923)
Martin Gusinde
Arquivo Fonográfico de Berlim, Alemanha.
ARQUIVO 3
Registos linguísticos
Oscar Aguilera
Museo Martin Gusinde, Puerto Williams, Chile.
ARQUIVO 4
Úrsula e Cristina Calderón
Museo Precolombino, Santiago do Chile.
ARQUIVO 5
Relatos e cantos de Úrsula Calderón
registados por Rafael Cheuquelaf (2001)
Punta Arenas, Chile.

Peças relacionadas