Vanessa, pintora de azulejos de papel

Há quem pinte com palavras e veja o mundo em fractais azulados. Vanessa da Paz veio de Florianopolis, a ilha mágica do Estado de Santa Catarina, no Brasil. Chegou ao Coletivo Bandido, em Oeiras, seguindo o fio do acaso. A contemplação, as cores garridas e a deambulação ocupam os seus dias. À noite, no atelier oeirense, fixa em azulejos de papel cenas vividas entre Alfama, o Chiado, as praias em torno e por onde a leve a arte.

Em qual playlist quer adicionar esta peça?

Tem a certeza que pretende eliminar a lista ?

Necessita de estar registado para adicionar favoritos

Login Criar conta
Partilhar

Que sons a pandemia não deixou subir?

No final de 2020, “Massa” foi criada para o projecto New Chronologies of Sound, uma colecção de trabalhos sonoros, a partir de gravações de campo, que nos interpela sobre o surgimento de uma nova percepção do som e do tempo a partir da experiência global da pandemia.

Esta peça é uma colagem construída a partir dos arquivos de Laura Romero: um puzzle de fragmentos, um coro de recordações sonoras em busca de um uníssono onde o documental ficciona e a ficção documenta. Nessa linha de (não)fronteira, o violino expandido de Alexandre Sacha Sakharov há-de guiar-nos até uma adaptação livre do poema “Masa”, do peruano Cesar Vallejo, sempre à sombra das palavras da epígrafe inicial que a autora retirou do livro The Sound of a Room, do poeta, professor e autor radiofónico Sean Street.

 

Depois da estreia, em Junho de 2021, no Teatro Aveirense, e da publicação em vinil no álbum New Chronologies of Sound, “Massa” já passou em diversos festivais e sessões de escuta e fez parte de uma instalação no Museu de Arte Moderna de Medellín, na Colômbia.

 

Grand Prix Nova Radio Drama Festival 2021, Radio Romania.
Primeiro prémio Short form UK International Radio Drama Festival 2022.

 

​AUTORIA E PRODUÇÃO
Laura Romero
​GRAVAÇÕES
Laura Romero
​EDIÇÃO E MONTAGEM
Laura Romero
​MASTERIZAÇÃO
​Lawrence English
​CURADORIA
​Hugo Branco, VIC Aveiro Arts House
​CONSULTOR DA CURADORIA
​Jorge Barco, Museu de Arte Moderna de Medellín
​TRADUÇÃO E LEGENDAGEM
​André Demony
André Cunha