Há postos para a poesia?

Rudimentos vocais

Aspirações orais

Há dias sonoros

Inquietações hertzianas

Ortografias abertas

Poesias ampliadas

Ondas magnéticas

Escavadas na garganta

Sintonias do tempo

In ti mi da de

Arte Memória Política Opinião

Fruição

Meditação

 

E tudo a postos para escutarmos os espíritos?

Amantes da poesia, camaradas ouvintes, coreógrafas da língua, encenadoras dos lábios

Prontas para afinarmos os espíritos?

Artesãs de palavras, operárias do texto, juristas das frases feitas e cuidadoras de ideias

Tudo a postos para sermos poesia?

Há postos para a poesia?

 

 

 

 

Raquel Lima

Em qual playlist quer adicionar esta peça?

Tem a certeza que pretende eliminar a lista ?

Necessita de estar registado para adicionar favoritos

Login Criar conta
Partilhar

Havia os encontros TELL, em que se era convidado a dizer no escuro. O TELL migrou do Porto para o Algarve pela mão do seu inventor, o Sérgio Marques. A sul, além de outras avarias, haveria um Carro de Feira a esganiçar matéria sonora pelas vias algarvias. Eu, Regina, fui enviando propostas à Ana (Deus), mormente este devaneio em torno do eixo bem oleado das dores. O mix das farpas destinadas ao privado e ao público ainda se ajusta, acho eu que aprecio coisas brutas e em bruto.

 

Regina Guimarães

data de publicação
15.09.2022
Voz
Ana Deus
Poema
Regina de Guimarães
música
Ana Deus e Alexandre Soares
masterização
Sérgio Milhano, PontoZurca

Peças relacionadas