Margarida, uma voz onde cabem muitas vozes

Margarida Antunes tem dedicado a vida ao canto. Uma voz que se procura, que se encontra com outras, que semeia.

 

Na infância passou um ano e meio em França, onde o pai esteve emigrado antes do 25 de Abril. Uma experiência que terá contribuído para se tornar assessora de imprensa no Instituto Franco-Português, onde passou a maior parte da sua vida profissional.

 

Antes disso, logo depois da revolução, integrou o GAC – Grupo de Ação Cultural – Vozes na Luta. Ao lado de figuras como José Mário Branco, Fausto ou Luís Pedro Faro, entre tantos outros, percorreu um país pobre e analfabeto, onde faltava tudo, e onde militares e camponeses, por um período breve mas prodigioso, se juntaram a eles num coro pela liberdade e pela justiça social.

 

Já reformada, não lhe sobra muito tempo para descansar. Faz parte da direção da Biblioteca Operária Oeirense, a mais antiga de Oeiras, e da Associação de Canto a Vozes – Fala de Mulheres, responsável pelo pedido de inscrição do canto de mulheres na lista nacional de património cultural imaterial, e é uma das fundadoras do grupo coral feminino Cramol, com mais de quatro décadas de vida e ativíssimo, entre concertos, oficinas de canto e organização de conferências.

Em qual playlist quer adicionar esta peça?

Tem a certeza que pretende eliminar a lista ?

Necessita de estar registado para adicionar favoritos

Login Criar conta
Partilhar

Paulo levantou-se do chão e, de olhos abertos,

não viu nada

 

 

 

Actos dos Apóstolos, 9

 

I

Subo ao monte sem tocha ou lanterna

a fitar a tela do firmamento

de estrelas inumeráveis perfurada.

 

Subo por não haver sossego na terra,

nem assombro, mistério, ou canto,

apenas tumulto, ecrãs, informação.

 

No manto constelado me agasalho

como peregrino chegado a lugar santo.

Espinho cravado na imensidão.

 

E nem o rumor da auto-estrada

que o vento transporta

destroça o feitiço do infinito.

 

Subo sem ego e sem alma.

Por amor ao distante. Ao inumano.

Subo porque abdico de ser visto.

Bicho de carbono suplicante,

subo ao firmamento como faúlha

convertida em diamante.

 

 

 

 

De Firmamento (Assírio & Alvim, 2022)

 

 

 

Gravação e edição áudio
Oriana Alves
Masterização
Sérgio Milhano, PontoZurca